Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008

 

Fico a aguardar Comentários e/ou Críticas Construtivas para postar o próximo Capítulo.  

 

Teenage Drama Love

 

 

 

 

Capítulo XVII

 

 

                No dia seguinte, Bill levou Kate a casa. Prometeu não contar a ninguém o que lhe tinha acontecido na noite anterior a ninguém. Despediram com um beijo no rosto.

Georg tinha ido, de facto, a casa dos gémeos na manhã seguinte, mas apenas encontrou Sr. Simone que lhe informou que nenhum deles estava. O baixista ficou furioso, mas regressou ao apartamento que partilhava com Natalie, que logo o meteu bem-disposto!

 Gaby tinha um novo encontro com Gustav, iriam a uma exposição de fotografia.

 Agnes e Tom passaram o seu tempo a fazer o que melhor fazem juntos, sexo!

E assim, o tempo passou …

 

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

O mês de Novembro terminou.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dezembro chegou acompanhado pelo frio rigoroso do norte da Europa.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

24 De Dezembro de 2008. Véspera de Natal. O espírito natalício já tinha invadido a vila de Loitsche no início do mês. A neve cobria as ruas e estradas da vila. As pessoas andavam agasalhadas com cachecóis e grossos sobretudos. As luzes douradas e vermelhas dos enfeites de Natal iluminavam as ruas frias, que não pareciam tão desertas nesta altura do ano. A noite tinha caído, envolvendo os céus com um manto escuro. Mas não se viam as estrelas, devido ao céu nublado de onde a neve já tinha parado de cair.

No apartamento que Natalie partilhava com Georg, o aquecedor eléctrico aquecia o ar. O casal estava na sala, diante uma televisão com um ecrã considerado de tamanho grande. Estava a dar um filme de Natal, “O Amor Acontece”, uma combinação de várias histórias de amor no Natal. Georg estava sentado no sofá, e abraçava Natalie, que estava deitada, comendo pipocas de microondas com caramelo.

- Este filme é aborrecido…! – queixou-se Georg.

- Não é nada! – discordou Natalie – Pensava que gostavas de romantismo…

- O facto de eu gostar de romantismo, não quer dizer que goste de ver este tipo de filmes!

- Não sejas rabugento, Georg! – pediu Natalie – É Natal! E é uma comédia romântica, também serve para te rires.

- Já me ri bastante! – ironizou Georg.

- Consegues ser tão idiota às vezes! – bufou Natalie, enfiando uma mão cheia de pipocas na boca, de uma só vez.

                Georg murmurou uma frase entre dentes, que Natalie não percebeu. Depois olhou para a taça de pipocas que Natalie comia, satisfeita, enquanto via o filme.

- E quem disse que as pipocas eram todas para ti, hã?! – disse Georg, tirando-se a taça da mão e levantando-se do sofá, começando a provocar Natalie, comendo-as – Hmm. São deliciosas!

- Dá cá isso! – ordenou Natalie, tapando-se totalmente com a manta de malha polar que a cobria.

- Levanta-te e vem buscá-las! – provocou Georg, continuando a comê-las.

- Está frio! – queixou-se Natalie – Não sejas infantil, Georg! Dá-me a taça das pipocas, !

- Pareces a minha mãe a falar comigo! – informou Georg – Quando eu tinha três anos!

- Sabias que isso é a pior coisa que se pode dizer a uma rapariga!?

- Pensava que a pior coisa que se pode dizer a uma rapariga é que ela é feia ou gorda! – exclamou Georg.

- Também. – concordou Natalie e depois abanou a cabeça – Não mudes de assunto! As minhas pipocas! Fui eu que as comprei!

- As tuas pipocas!? – repetiu, num tom chocado, Georg – O dinheiro era meu, por essa ordem de ideias, são minhas!

                O telefone tocou em cima da mesinha que ficava ao lado direito da televisão. Georg olhou para ele e depois desviou o olhar para Natalie.

- Não vais atender? – perguntou Natalie.

- Porque não atendes tu? – perguntou Georg.

- O apartamento é supostamente teu!

                Georg aproximou-se do telefone e atendeu-o.

- Estou! És mesmo tu? Man, á tanto tempo que não falava contigo!

                Natalie esqueceu as pipocas e olhou, desconfiada para o namorado ao telefone.

- Chegaste hoje? Então passas cá pelo meu apartamento, não é? Não!? Porquê? Vais a casa do Bill e do Tom, é? Okay, okay! Eu apareço em casa deles daqui a pouco. Okay, até já.

                Pousou o telefone e Natalie olhava para ele, esperando uma resposta.

- Vamos a casa dos gémeos. – informou Georg.

- Quem era ao telefone? – perguntou.

- Já vais descobrir. – respondeu Georg – Vai vestir-te.

- Não vais dizer-me, porquê? – perguntou Natalie, levantando-se do sofá.

- Não o conheces, de qualquer maneira. – disse Georg – Quando chegarmos a casa deles, eu apresento-o.

- “O”? - repetiu – É um rapaz!

                Mas Georg não lhe respondeu. Pegou no telefone e telefonou para Tom a avisar quem estava a chegar e que ia a casa dele daqui a bocado. Natalie vestiu-se rápido e o casal dirigiu-se á saída. Georg tirou o seu casaco de cabedal do cabide que estava á entrada e vestiu-o. Abriram a porta, saíram e a chave de Georg rodou na fechadura, trancando a porta.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

- Não vais ter com o Gustav hoje? – perguntou Sr. Johanna.

- Hoje é véspera de Natal, mãe! – respondeu Gaby.

                Sr. Johanna e Gaby estavam sentadas no sofá da sala da casa. Viam um filme que passava num canal da televisão dedicado exclusivamente a thrillers. O filme chamava-se “Gothika” com Halle Berry, a história de uma psiquiatra brilhante que assassina o marido depois de ser possuída pelo espírito de uma rapariga que lhe aparece numa ponte, em que tem um acidente.

- Nós não somos cristãos, querida! – riu-se Sr. Johanna – Não celebramos o nascimento de Jesus Cristo!

- Mas a família do Gustav é! – respondeu Gaby.

- Ele é cristão!? – repetiu Sr. Johanna, com certo desagrado.

- Não sejas preconceituosa, mãe! – pediu Gaby.

- Sabes perfeitamente que eu não sou nada preconceituosa! – vincou Sr. Johanna – Mas ... cristão!?

                Gaby revirou os olhos e continuou a ver o filme, ignorando o comentário da mãe.

- Então, - começou, novamente, Sr. Johanna – Tu e o Gustav já …

- Essa conversa outra vez não! – exclamou Gaby.

- Porque não respondes á pergunta?

- Não. – respondeu Gaby.

- Isso foi uma resposta a qual das perguntas?

- Á primeira pergunta.

                Sr. Johanna soltou um suspiro de alívio.

- E… - recomeçou a mulher – Já pensaste nisso?

- Mãe estou a ver o filme! – interrompeu Gaby, sem desviar o olhar do ecrã.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

                A campainha da casa de Bill e Tom Kaulitz tocou. Sr. Simone dirigiu-se á porta e abriu. Á porta estava um rapaz de dezassete anos de cabelos louros platinados.

- Boa noite, Sr. Simone. – cumprimentou o rapaz.

- Boa noite. – sorriu Sr. Simone – Á tanto tempo! Entra, o Bill e o Tom estão na sala!

                O rapaz sorriu e entrou na casa, dirigindo-se á sala. Quando entrou na divisão, Bill e Tom olharam para ele, espantados. Bill correu a abraçar o melhor amigo.

- Andreas!

                Quando Bill tirou os braços em volta de Andreas, o rapaz louro abraçou Tom e deu-lhe uma palmadinha nas costas.

- Andaste desaparecido durante um período escolar inteiro! – exclamou Tom. – Onde andaste?

- Estive em Londres. – respondeu Andreas.

- Londres!? – repetiu Bill – A fazer o quê?

- Deram-me uma bolsa de estudo. – respondeu o rapaz louro – Pensei que vos tinha dito.

- Vamos lá para cima! – sugeriu Tom, apontando discretamente para a sua mãe.

- Okay, okay. – sorriu Andreas.

                Os rapazes subiram as escadas a correr e Sr. Simone olhou para eles, com um sorriso nos lábios e abanou a cabeça, regressando á sala para junto do marido.

Chegaram ao andar superior e caminharam para o quarto de Bill, que abriu a porta do quarto e o irmão gémeo e o melhor amigo entraram. Sentaram-se todos em cima da cama.

- Então, que novidades contam? – perguntou Andreas, curioso.

- Nós? – riu-se Tom – Tu é que andaste de volta das inglesas!

- Nada disso! – desmentiu Andreas. – Eu e o Bill somos homens de uma só mulher!

- Palhaços! – comentou Tom e Bill deu-lhe um murro na cabeça.

- Então e tu, “Sex Gott”? – perguntou Andreas a Tom – O que tu contas?

- Sabes como é. – sorriu, convencido – Miúdas, escola, miúdas,…

- Miúdas? – repetiu Bill, abanando a cabeça.

- Quantas foram desta vez, Tom? – perguntou Andreas.

- Já lhes perdi as contas…

- Foram duas! – respondeu Bill e riu-se em seguida.

- Apenas duas? – perguntou Andreas, decepcionado – Então, Tom? Estás em baixo de forma?

- Nada disso! – exclamou Tom, ofendido – Apenas não tive mais porque não quis. Estou a pensar em assentar.

- O Tom apaixonou-se! – esclareceu Bill.

- O quê!? – Andreas não acreditava – Estás a falar a sério!? Este gajo apaixonou?

                Bill acenou positivamente com a cabeça. Ele e Andreas começaram a rir-se às gargalhadas.

- Tu apaixonaste-te!? – riu-se Andreas – Impossível! Por quem? Quero conhecer a rapariga que fez com que este desgraçado se apaixonasse por ela!

- Isso é que já é uma pena. – comentou Bill – Ele a Sophia, é o nome da rapariga, estão chateados neste momento e ele já partiu para outra, ou melhor, para a cama da outra!

- Tu não tens emenda…! – comentou Andreas.

- A Agnes é perfeita! – exclamou Tom.

- Mas isso não fez com que apagasse a Sophia do teu coração, pois não? – perguntou Bill.

                Tom baixou a cabeça.

- Não. – confessou Tom – Por mais que eu queira convencer-me que não, eu sei que não a consigo esquecer. E isso está a dar cabo de mim!

- Então pára de ser idiota! – exclamou Bill – Deixa de ir para a cama com a Agnes e fala com a Sophia!

- Nem pensar! – recusou-se Tom – Depois do que ela fez á Kate…! Nunca se trai um amigo!

                Bill teve de concordar.

- Esta noite ficas para jantar connosco e dormes cá, certo? – perguntou Bill a Andreas.

- Vocês querem-me cá?

                Tom deu um murro na cabeça de Andreas, fazendo o louro soltar uma pequena exclamação de dor.

- Isso nem se pergunta, atrasado! – exclamou Tom – Já és da família!

- MENINOS, VENHAM JANTAR!

- A Dona Simone Kaulitz chama! – disse Bill.

                Os rapazes levantaram-se da cama, aos risos, e desceram as escadas.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Aviso: Esta FanFic tem direitos de autor. Fui eu que a escrevi e imaginei. Não copies, por favor!

Copyright © 2008/ Molly's FanFiction

 

---------------------------------------------------------------------------------------------------- 

 



publicado por Molly's FanFictions às 13:44 | link do post | comentar

1 comentário:
De mus@ a 24 de Dezembro de 2008 às 14:21
temos direito a outro capitulo nao temos??!!?

diz-me que sim
diz-me que sim

eu venero a tua fan fic por favor outro capitulo,nao fax mal a ninguem!

sim?
bjx


Comentar post

mais sobre mim
Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18

26
27

28
29
30
31


posts recentes

Teenage Drama Love ~ Capí...

Teenage Drama Love ~ Capí...

Teenage Drama Love ~ Capí...

Teenage Drama Love ~ Capí...

Teenage Drama Love ~ Capí...

Teenage Drama Love ~ Capí...

Teenage Drama Love ~ Capí...

Teenage Drama Love ~ Capí...

Teenage Drama Love ~ Capí...

Teenage Drama Love ~ Capí...

Arquivos

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Fanfics

a black rose and two broken hearts

beauty from darkness

teenage drama love

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds