Sábado, 20.09.08

Este é o Último Capítulo da minha Primeira Fanfic publicada neste Blog. Agradeço a todos os que a leram e especialmente a "Scorpion Flower" por ter comentado, significou muito para mim, acredita! Aqui fica o último capítulo e vemo-nos na próxima fanfic! 

 

 

A Black Rose and Two Broken Hearts

  

 

 

 

Capítulo XII

 

 

 

               Uma semana passara. Três semanas que a banda alemã Tokio Hotel passara na Holanda. Estava na altura de regressar á Alemanha para iniciar a gravação de um novo albúm. Bill nunca mais falara com Annie desde aquela discussão planeada por David Josh. As malas dos membros da banda estavam prontas e os técnicos já se aglomeravam no hall do Hotel a fazer o check out.

                                            

TEATRO STADSSCHOUWBURG AMESTERDAM APRESENTA:

“O FANTASMA DA ÓPERA”

~ UM MUSICAL DE DUVIAN FREE ~

COM A PARTICIPAÇÃO DE BRILHANTES ESTREIAS NO TEATRO HOLANDÊS.”

 

                Havia uma enorme fila de pessoas para ver a grande estreia do musical. Os punks e os hippies, amigos de Annie, sobressaíam no meio das pessoas luxuosamente vestidas para o espectáculo com longos vestidos de festa. Até a Rainha Beatriz da Holanda viera assistir. O teatro ficava mesmo em frente ao Hotel em que a banda alemã estava instalada.

                O relógio da Central Station badalou as 17 horas quando os espectadores começaram a entrar no teatro. Na bilheteira os bilhetes estavam esgotados desde á dois dias atrás. O espectáculo fora muito badalado e publicitado pelos media holandeses. Muito era esperado daquela peça.

                Eram 20 e 30 minutos quando a peça começou. Majestoso e um espectáculo de luz, como era esperado. Robert sorria, como se fosse o melhor dia da sua vida. Quando os actores entraram em palco, a plateia explodiu em aplausos.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

                Annie saiu do palco quando a Directora de Actores lhe fez sinal, indicando o final da sua cena. Trajava um belo e comprido vestido de seda vermelha; com saia em balão que saia de um corpete que moldava as curvas e os seios de Annie. Colocaram-lhe uma peruca castanha encaracolada que lhe tocava na cintura. O seu rosto estava maquilhado em tons pastel.

- Vai para o teu camarim! – ordenou a Directora de Actores – Espera até o solo dos pianos e dos violoncelos terminar. Significa que a cena de luta acaba e tu entras!

                Annie acenou positivamente e correu para o seu camarim. Na porta de carvalho envernizada brilhava uma placa de metal prateado, onde estavam gravadas as letras “ANA MADALENA”. Entrou e em cima do balcão onde estava maquilhagem e adereços encontrava-se um envelope branco. Estranhou e dirigiu-se até ele, aproximando o seu reflexo do espelho, decorado em redor com lâmpadas.

“Para Ana Madalena”

                Annie conhecia bem aquela letra. A letra que estava presente na última carta que lera. Com as mãos a tremer, pegou na carta e rasgou. No seu interior uma folha de papel branca se encontrava. Respirou fundo e desdobrou-a.

“Annie. Cumpriste a tua palavra de acabar tudo com o Bill e eu cumpri a minha proposta, dei-te a oportunidade de seguires o teu sonho. Quando leres esta carta provavelmente estarás no intervalo da peça. Os Tokio Hotel estão nesse mesmo momento a abandonar o Hotel para regressarem á Alemanha. É melhor assim.

David Josh

PS: Se quiseres ver o Bill uma última vez, olhava para fora da janela”

                Annie encostou-se á janela, vendo Bill Kaulitz entrar para a carrinha preta e de vidros esfumados que o iria levar para o aeroporto. Um grito de desespero e depressão soltou-se da garganta dela, enquanto as suas mãos trémulas escorregavam pelo vidro, caindo no chão. No leitor de CD que estava em seu camarim, tocava a gravação da sua voz e de outro actor do a cantar ópera, a música de ópera mais gravada de todos os tempos, a banda sonora do musical “O Fantasma da Ópera”:

ANNIE:

No sono ele cantou para mim. Em sonhos em veio. Aquela voz que me chama e fala o meu nome. E se eu sonhar novamente? Por agora eu descubro que O Fantasma da Ópera está aqui! Dentro da minha mente!”

As lágrimas dolorosas que caíam pelo seu belo rosto, manchava o pó-de-arroz que cobria o seu rosto, para que a pele de Annie parecesse pálida.

VOZ MASCULINA:

 “Canta novamente para mim. No nosso estranho dueto. O meu poder sob ti. Cresce mais forte, no entanto. E mesmo se tu te voltares e olhares para trás. O Fantasma da Ópera está aqui! Dentro da tua mente!”

Lágrimas manchavam a seda do vestido vermelho que Annie vestia, um belo e luxuoso vestido que realçava os belos seios da rapariga e delineava as curvas da cintura.

ANNIE:

“Aqueles que viram a tua face. Afastaram-se com medo. Eu sou a máscara que tu usas…!”

                O delicado corpo de Annie tremia. Não apenas com o frio da divisão, mas também com a dor da partida do amado. A sua mão esquerda tocou em sua barriga, ainda mas primeiras semanas da gravidez.

VOZ MASCULINA:

“Sou eu, quem eles ouvem!”

                Bill nunca iria ter conhecimento daquele filho. Mas ele era o fruto que nascera daquele amor condenado no início. A melodia dos violoncelos se tornava mais poderosa no palco, as lágrimas de Annie continuavam a escorrer, abundantes. O final da cena de luta estava próxima.

AMBOS:

(sendo “teu/tua” a VOZ MASCULINA e “meu/minha” a voz de ANNIE)

“O teu/meu espírito e a tua/minha voz juntam-se. O Fantasma da Ópera está aqui! Dentro da tua mente!”

A rosa preta que Bill oferecera a Annie estava apertada na mão dela. Com os espinhos a cravarem-se em sua pele, fazendo pequenos furos. Seu sangue manchava de vermelho o pavimento de mármore branco do teatro.

VOZ MASCULINA:

“Canta meu anjo da música, canta meu anjo, canta para mim, canta meu anjo, canta para mim!

A verdadeira simbologia de uma rosa preta é medo e desespero. E esse era o futuro daquela relação proibida. Sem esperança. Medo. E assim termina. Com as pesadas cortinas de veludo vermelho a fecharem-se no palco. A porta da carrinha preta a fechar com uma batida forte. Com a melodia trovejante dos violoncelos e pianos. Com uma nota soprano da voz de Annie. Com os estrondosos aplausos e assobios da plateia no teatro. Com uma rosa preta e dois corações destroçados.

THE END 

---------------------------------------------------------------------------------

 

 

Aviso: Esta FanFic tem direitos de autor. Fui eu que a escrevi e imaginei. Não copies, por favor!

Copyright © 2008/ Molly's FanFiction

 

-----------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 



publicado por Molly's FanFictions às 19:47 | link do post | comentar | ver comentários (3)

mais sobre mim
Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18

26
27

28
29
30
31


posts recentes

A Black Rose and Two Brok...

A Black Rose and Two Brok...

A Black Rose and Two Brok...

A Black Rose and Two Brok...

A Black Rose and Two Brok...

A Black Rose and Two Brok...

A Black Rose and Two Brok...

A Black Rose and Two Brok...

A Black Rose and Two Brok...

A Black Rose and Two Brok...

Arquivos

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Fanfics

a black rose and two broken hearts

beauty from darkness

teenage drama love

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds